140 Canais TV

Assistir TV Online
Programação dos Canais ~>
Canal do Youtube
Facebook
Comunidade do Orkut
Twitter
Assistir TV Online HD - No Google

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Usos e costumes à luz da Bíblia Sagrada

Diferenças entre Doutrina Bíblica e Usos e Costumes 

Para entendermos melhor este assunto que tem sido, infelizmente, tratado com certo desprezo pela maioria, devemos examinar alguns pontos importantes. E para isto, é preciso que estejamos abertos à Deus para recebermos àquilo que ELE nos propôs desde a fundação do mundo. Não podemos esquecer, jamais, que Deus não mudou e que todos os SEUS ensinamentos e normas continuam vivos e eficazes até os dias de hoje, para todos nós, independente da denominação que participamos.
A idéia deste estudo, é tao somente esclarecer alguns pontos acerca dos usos e costumes e ver, nos Escritos Originais, o que a Palavra de Deus nos ensina quanto a este tema.
Doutrina (do grego - Didaquê) é o conjunto de princípios bíblicos que servem de base ao ensinamento cristão e que influenciam na salvação do indivíduo.
Os usos e costumes são influenciados pela cultura e modo de viver, valores sociais e religiosos das pessoas.
Muitos usos e costumes são contrários ao ensino doutrinário e por isso devem ser fortemente rejeitados, outros, porém, acompanham os princípios da doutrina bíblica e, portanto não podem ser simplesmente encarados, agredidos, abandonados ou modificados.


VESTUÁRIO CRISTÃO
I Tm 2:9 - “Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos.”
A expressão ‘ataviem’ (do grego - “kosmeo”), significa “pôr em ordem”. Aqui, cumpre-nos registrar que o termo grego “Kosmos” vem desse verbo e significa mundo.
Também é desse mesmo termo grego que temos a palavra moderna “cosmético”, que significa aquilo que é do mundo ou mundano.
O termo ‘pudor’ é tradução do adjetivo grego - “Kosmios” (que vem da mesma raiz de ataviem) palavra que significa “honroso”, “modesto”, “respeitoso”.
O contrário disto são trajes provocantes e desrespeitosos, isto é, vestes contrárias ao espírito de adoração o que sugere uma mulher com vestes tipicamente “mundanas”.
Assim, aqui temos o princípio bíblico da decência e do pudor, isto é, não devemos imitar o mundo em seu modo indecoroso, escandaloso e imoral de vestir-se.
ADORNOS E ENFEITES
I Pd 3:3 – “O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de jóias de ouro, na compostura de vestes”
A palavra ‘enfeite’ ou ‘adorno’ é novamente tradução do termo grego - “kosmos” (mundo, ordem). Assim, temos aqui uma conexão intencional. O Apóstolo teve a intenção de dizer que a ornamentação exagerada é sinal de mundanismo. (I Jo 2:15.17)
Acerca do perigo do uso de jóias ou adereços temos uma relevante advertência em Gn 35:1.4.
1 Depois disse Deus a Jacó: Levanta-te, sobe a Betel, e habita ali; e faze ali um altar ao Deus que te apareceu, quando fugiste da face de Esaú teu irmão.
2 Então disse Jacó à sua família, e a todos os que com ele estavam: Tirai os deuses estranhos, que há no meio de vós, e purificai-vos, e mudai as vossas vestes.
3 E levantemo-nos, e subamos a Betel; e ali farei um altar ao Deus que me respondeu no dia da minha angústia, e que foi comigo no caminho que tenho andado.
4 Então deram a Jacó todos os deuses estranhos, que tinham em suas mãos, e as arrecadas que estavam em suas orelhas; e Jacó os escondeu debaixo do carvalho que está junto a Siquém.
Os deuses das mãos mencionados neste texto são amuletos que eram usados em forma de anéis e as argolas eram brincos usados nas orelhas pelas mulheres ou pingentes usados pelos homens. Os amuletos continham palavras sagradas ou figuras e imagens de um ou mais deuses pagãos, e era uma prática supersticiosa amplamente difundida no Oriente Próximo.
Na atualidade, de igual forma, os anéis, brincos, pulseiras, braceletes e colares vendidos em grande escala contém em sua grande maioria, imagens e símbolos da Nova Era e de toda espécie de ocultismo e espiritualismo.
Assim, esta prática constitui-se em uma forma de cultuar deuses estranhos e entristecer o Espírito Santo. Portanto, além da oposição a vaidade, outro princípio espiritual aqui evidenciado é o combate a idolatria. (Gn 35:2)
COSMÉTICOS
II Reis 9:30 – “E Jeú veio a Jizreel, o que ouvindo Jezabel, se pintou em volta dos olhos, e enfeitou a sua cabeça, e olhou pela janela”.
Como já vimos a palavra moderna “cosmético”, significa aquilo que é do mundo ou mundano. As mulheres egípcias e assírias usavam tinta como cosmético. Coloriam as pestanas e as extremidades das pálpebras com um pó fino preto umedecido com azeite ou vinagre.
Porém esta prática era vista com desprezo entre os hebreus. A pintura dos olhos é claramente mencionada em:
Jr 4:30 – Agora, pois, que farás, ó assolada? Ainda que te vistas de carmesim, ainda que te adornes com enfeites de ouro, ainda que te pintes em volta dos teus olhos, debalde te farias bela; os amantes te desprezam, e procuram tirar-te a vida.
Ez 23:40 - E, mais ainda, mandaram vir alguns homens, de longe, aos quais fora enviado um mensageiro, e eis que vieram. Por amor deles te lavaste, coloriste os teus olhos, e te ornaste de enfeites.
Jezabel (hebraico - “casta”) foi rainha Sidônia de Israel, casada com o rei Acabe. Ela comandou, corrompeu e influenciou negativamente Israel por 76 anos. Combinava os piores elementos de prepotência, violência, licenciosidade e vaidade. Jezabel não era somente uma mulher idólatra, ela era uma mulher de moral imunda e foi transformada nas Escrituras como símbolo de iniqüidade e barbaridades femininas. Jezabel é a única mulher em toda a Bíblia que aparece se pintando.
O registro bíblico fez dela um princípio permanente de exemplo a não ser seguido.
Ap. 2:20- Mas tenho contra ti que toleras Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria.
DIFERENÇAS NO VESTUÁRIO
Dt 22.5 – “Não haverá trajo de homem na mulher, e não vestirá o homem veste de mulher; porque qualquer que faz isto abominação é ao SENHOR, teu Deus”
Entre os hebreus a vestimenta da mulher hebréia era diferente da do homem. Era mais comprida, com borda e franja suficientes para cobrir os pés. A vestimenta exterior dos hebreus era também utilizada como roupa de cama; e por isso um credor não o podia conservar em seu poder depois do sol posto (Êx 22:26, Dt 24:12/13).
A Bíblia afirma em Gn 1.27 que Deus criou a humanidade macho e fêmea. Com isto, sabemos que foi o próprio Deus que fez questão da distinção entre homem e mulher. No entanto homens e mulheres decaídos adotaram o homossexualismo e o lesbianismo, e ainda, articularam a expressão “unissex”, utilizada em larga escala, especialmente com referência ao vestuário, em uma afronta direta a criação divina e a ordenança bíblica. (Rm 1:25.28)
25 Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.
26 Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.
27 E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.
28 E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm;
29 Estando cheios de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;
Assim, de acordo com a Bíblia, as mulheres não devem adotar as vestimentas de um homem e os homens não devem vestir-se como mulheres. Devemos, portanto, respeitar os símbolos das diferenças entre os sexos e, apesar desses símbolos variarem com a passagem do tempo e de cultura para cultura, permanece de pé o princípio da distinção entre os sexos, inclusive na forma de homens e mulheres se vestirem.
OBS: Queremos deixar bem claro que este tópico do estudo não identifica qual quer preconceito contra gays ou lésbicas. Amamos, em Cristo, estas pessoas. Porém, de acordo com as Sagradas Escrituras, que é a nossa única fonte de fé, deixa bem claro que Deus condena tais práticas. Sendo assim, esta prática, diante de Deus, é ilegal e imoral.

CUIDADOS DISPENSADOS AO CABELO
1 Cor 11:14.15 - “Ou não vos ensina a mesma natureza que é desonra para o varão ter cabelo crescido? Mas ter a mulher cabelo crescido lhe é honroso porque o cabelo lhe foi dado em lugar de véu”
Havia na época de Paulo, um consenso universal acerca do que a natureza ensina quanto aos cabelos de homens e mulheres. Assim, competia e compete ao cristianismo respeitar a natureza, e não desconsiderá-la. Nos dias de Paulo, as prostitutas se davam a conhecer usando cabelos curtos. Elas faziam o que era contrário à natureza a fim de atrair os homens a afagos que também são contrários à natureza, e o apóstolo dos gentios não desejava que as mulheres crentes imitassem as prostitutas.
Por outro lado, os cabelos longos de uma mulher simbolizam a sua posição de subordinação ao homem, bem como a sua posição na hierarquia divina de poderes (sinal de poderio, por causa dos anjos)' I Cor – 11:10).
Assim sendo, constitui-se um ato de rebeldia e insubmissão uma mulher desfazer-se de seu véu natural, isto é, cortar os seus cabelos.
A mesma orientação é extensiva aos homens. Assim como a natureza ensina as mulheres a manterem os cabelos longos, aos homens a natureza ensina a usarem seus cabelos curtos como sinal de autoridade.
Algumas vezes o uso do cabelo comprido pelos homens estava associado a homossexualidade, e também era comum a cabeleira em filósofos e bárbaros.
Porém, os homens hebreus usualmente andavam bem penteados e cortavam o cabelo quase como cortam hoje os ocidentais. Para mantê-los aparados usavam um tipo primitivo de tesoura (II Sm 14:26) e outras vezes usavam navalhas (Nm 6:5).
Então, qual deve ser o comprimento? O termo grego – “phusis” é traduzido como "a própria natureza", ou seja, a natureza se encarrega disto de acordo com o biótipo de cada pessoa. Assim, este princípio é determinado pela própria natureza e não pela intervenção humana, isto é, cabelos longos para as mulheres como sinal de submissão e cabelos curtos para os homens como sinal de autoridade.

AFASTAR-SE DA APARÊNCIA DO MAL
1 Ts 5:22 - Abstende-vos de toda aparência do mal. (Apecho pantos eidus ponero)
A expressão “abstendo-vos” é tradução do termo grego - “apecho”, que significa “estar distante de” ou “manter-se afastado do”.
O restante do versículo no original grego é - “pantos eidus poneru” e significa toda e qualquer forma, aparência ou tipo de mal.
Ou seja, o princípio desta orientação é manter-se distante de tudo aquilo que possa nos contaminar. Sabemos que o mal se apresenta de muitas formas e existem inúmeros desvios pelos quais podemos nos afastar do bem e praticar o erro.
Portanto, devemos literalmente fugir de tudo aquilo que nos possa roubar a dignidade e a comunhão com Deus. Somente uma conduta de elevada estatura espiritual sob o poder de Deus poderá nos livrar do fracasso espiritual e ministerial. (I Cor 8).

EXERCITAR O DOMÍNIO PRÓPRIO
1 Cor 6:12- Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma.
Temos neste texto três grandes lições que passamos a discorrer:
Primeiro - “Todas as coisas me são lícitas”, isto é, “estão em meu poder de serem praticadas”. Posso fazer aquilo que eu bem entender com a minha liberdade. Porém, não podemos esquecer que por todas as ações praticadas, Deus nós trará a juízo.
Ec 11:9 - Alegra-te, jovem, na tua mocidade, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade, e anda pelos caminhos do teu coração, e pela vista dos teus olhos; sabe, porém, que por todas estas coisas te trará Deus a juízo.
Segundo - “Nem todas as coisas me são convenientes”, nem na área pessoal, social ou ministerial. Em outras palavras, devemos ter cuidado com as minhas ações, para que não venha a prejudicar a vida de outros e também não blasfemar o Nome de Cristo (Rm 14:1.6; I Cor 7:35 / 10:23 /12:7).
Aqui a expressão “convém” é tradução do grego – “simphéro” que também significa: nem todas as coisas “são úteis” ou nem todas as coisas “são dignas”. O argumento de Paulo é de que nem tudo aquilo que é legal ou permitido está revestido de moralidade.
Terceiro - - o termo grego “echusiasthésomai” (futuro passivo de “echusiádzo") utilizado por Paulo em sua epístola tem o significado de: “colocar sob o poder de alguém” ou “colocar sob a autoridade de alguém”.
Ou seja, Paulo ensina que ao nos colocarmos sob o poder do erro, quer seja de vontades, sentimentos ou desejos não convenientes, tornamo-nos outra vez escravos do pecado. Porém, se submetermos nossa vontade ao Senhorio de Cristo, não seremos dominados pela inconveniência, ao contrário, teremos domínio sobre ela. E todos sabemos que o domínio próprio é um dos princípios espirituais que envolvem o fruto do Espírito Santo. (Gl 5:22)

CONCLUSÃO

A Bíblia não ensina o descuido com a nossa apresentação pessoal, quer seja em relação ao nosso vestuário ou os nossos cabelos e nem mesmo proíbe o uso de roupas de boa qualidade e nem ainda condena o asseio pessoal e a higiene. Ao contrário, o cristão deve ser exemplo em tudo, inclusive sob este aspecto.
A advertência bíblica é contra a ostentação, desobediência, despudor, vaidades, extravagância, insubmissão, rebeldia e formas de idolatria, procedimentos estes que ferem os princípios bíblicos doutrinais e espirituais determinados nas Escrituras e quebram a comunhão do homem com Deus.
Assim, afirmamos que todo e qualquer uso ou costume contrário ao ensino doutrinário deve ser enfaticamente rejeitado pelo fato de agredir os princípios espirituais que orientam o caminho da Salvação. Por outro lado, todos os usos e costumes que seguem e observam algum princípiodoutrinário não podem ser abandonados ou modificados, nem mesmo sob o pretexto de atender os modismos, normas de conduta, exigências ou cultura do meio social onde estamos inseridos.Hosana! - ‘Salva-nos, te pedimos’.

“Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes. Vigiai juntamente e não pequeis; porque alguns ainda não tem conhecimento de Deus: digo-o para vergonha vossa” I Cor 15:33.34
Postar um comentário